Já disponíveis na ESTC Edições

Sentidos figurados Cinema • Imagem • Simulacro • Narrativa, de João Maria Mendes, é uma obra em dois volumes agora publicada na Editora On Line de Acesso Aberto da Escola Superior de Teatro e Cinema, a ESTC Edições. Os dois livros resultam de investigação aplicada ao ensino e desenvolvida pelo autor entre 2010 e 2018. Destinatários: estudantes, professores, investigadores e autores de Cinema e de Teatro, e interessados no relacionamento das artes do espectáculo com a literatura e demais expressões artísticas. Boa leitura!

 

Sentidos figurados vol I
Sentidos figurados vol II

 

Partilhar

Arte pública na ESTC

Está concluída a intervenção artística de Pantónio (António Correia) na fachada principal da ESTC, face ao jardim José Afonso. O trabalho site specific agora concretizado resultou de uma parceria entre a Câmara Municipal da Amadora e as presidências da ESTC e do IPL e inscreve-se no âmbito da 4ª edição do “Conversas na Rua”, projecto de Arte pública/Arte efémera que a Câmara tem vindo a desenvolver.

O “Conversas na Rua” tem curadoria própria e concretizou, desde 2015, dezena e meia de intervenções artísticas em espaços com visibilidade pública na Amadora, ampliando o “Mapa da arte urbana” da cidade, que conta com mais de cem murais e a que a ESTC, cujo edifício foi desenhado pelo arquitecto Manuel Salgado, agora se associa.

O autor do mural da ESTC, cujo portefólio inclui intervenções em edifícios em Paris, Bruxelas e em cidades do Canadá, Tunísia, Marrocos, Ucrânia, é hoje um dos artistas portugueses com mais expressivo reconhecimento internacional nesta área. Da Amadora segue agora para a Tailândia e depois para os EUA.

Partilhar

Mais prémios para filmes produzidos na ESTC

No seguimento da sua estreia nacional no Curtas Vila do Conde – International Film Festival, ‘Onde o Verão Vai (episódios da juventude)’ de David Pinheiro Vicente (Escola Superior de Teatro e Cinema – IPL), foi premiado com o Prémio Pixel Bunker e Melhor Filme em Competição Nacional; ‘Amor, Avenidas Novas’ de Duarte Coimbra (Escola Superior de Teatro e Cinema – IPL) venceu o Prémio IPDJ, o Prémio Smiling, o Prémio Agência da Curta Metragem e o Prémio Restart na Competição Take One! para filmes de escola.
Parabéns às equipas!
Partilhar

Projeto GIRELA: Apresentação de Resultados da Investigação

No passado dia 8 de Maio, pelas 16h, foi realizada a conferência de apresentação do projecto de investigação GIRELA, Reflexões sobre Criação Artística, Formação e Legislação, no Pólo Cultural Gaivotas da Boavista (CMLx) e apresentado o livro de título homónimo e o catálogo MAPA, relativo ao projecto de criação realizado.

O projecto Girela pretendeu reflectir acerca do ensino artístico, bem como repensar a legislação que a ele se refere, para propor um contexto capaz de gerar legislação específica para o ensino artístico no ensino superior. Contou, ainda, com a realização de um projecto de criação, a funcionar em regime laboratorial e da autoria dos alunos do 1º e 2º ciclo do ramo de Design de Cena.

O projecto foi financiado no âmbito da 2ª edição do Concurso de Projetos de Investigação, Desenvolvimento, Inovação & Criação Artística financiados (IDI&CA) pelo Instituto Politécnico de Lisboa.

IPL/2017/GRCAFL/ESTC.
Fotografias: ESTC-GCI Roger Madureira

 

 

Partilhar

‘Amor, Avenidas Novas’ em Cannes

A curta metragem ‘Amor, Avenidas Novas’, produzida na Escola Superior de Teatro e Cinema, com realização de Duarte Coimbra, Direcção de Produção de Pedro Ramalhete, Argumento de Luís Miranda e com  distribuição da Portugal Film, faz parte da selecção oficial da Semaine de La Critique do Festival de Cannes.

A ESTC endereça os parabéns à equipa envolvida.

 

Sinopse

Manel, um jovem que dorme sestas, vai trocar o seu colchão de casal pelo colchão de solteiro do amigo Nicolau, para que este possa estar com a namorada. Ambos carregam o colchão pela Avenida Almirante Reis até casa de Nicolau. Manel vê-se rapidamente despejado da casa do amigo com um colchão de solteiro para carregar de regresso a casa. No caminho interrompe acidentalmente umas rodagens só de mulheres, onde vai conhecer Rita, uma bela assistente de produção. Manel, Rita e o colchão projectam ideias de amor. No final do dia, Manel liga à mãe para desabafar e reflectir sobre o seu dia.

Realizador: Duarte Coimbra
Argumento: Duarte Coimbra, Luís Miranda, Pedro Ramalhete
Fotografia: Miguel Barbosa
Som: Vera Lopes
Montagem: Bruno de Freitas Leal, Inês Petiz Viana
​Produção: Pedro Ramalhete / Escola Superior de Teatro e Cinema (ESTC)​
Elenco: Manuel Lourenço, Beatriz Luís, Marcelo Tavares, Carolina Caramujo, Nena Coimbra

Distribuição: Portugal Film

Partilhar

Arte Pública / Arte Efémera na ESTC

— Em parceria com a Câmara Municipal da Amadora

As Presidências do Instituto Politécnico de Lisboa e da Escola Superior de Teatro e Cinema aceitaram a proposta da Câmara Municipal da Amadora de uma intervenção de arte pública / arte efémera na fachada principal da ESTC (face ao jardim José Afonso), no âmbito da 4ª edição do projeto “Conversas na Rua”, em 2018. Para a concretização da intervenção site-specific foi convidado o artista António Correia (nome artístico: Pantónio), detentor de um portfolio que inclui grandes murais em Paris, Bruxelas, no Canadá, Tunísia, Marrocos, Ucrânia, e que é hoje um dos artistas portugueses com mais expressivo reconhecimento internacional nesta área.

O “Conversas na Rua” tem curadoria própria e concretizou, desde 2015, 15 intervenções artísticas em espaços com visibilidade pública na Amadora, enriquecendo o “Mapa da Arte Urbana” na cidade, que regista mais de cem murais e pode ser consultado no site da CMA.

A intervenção prevista para a ESTC tem em conta a relativa degradação atual das paredes exteriores do edifício desenhado por Manuel Salgado, limitando-se a “pintura de superfície” feita sobre um novo fundo, que será pintado para o efeito, e não envolvendo, assim, qualquer agressão do edificado.

Como se sabe, uma primeira fase de obras de preservação e manutenção do prédio onde está instalada a ESTC está concluída, e outras se seguirão — pelo que a intervenção artística agora acordada será, de facto, efémera.

O artista convidado apresentou já um esboço do seu projeto, abaixo disponível.


João Maria Mendes

Presidente da ESTC

“A proposta é decompor ao longo da fachada a evolução de um movimento simples de interacção e expressão de mãos, como se de vários frames se tratasse, mas num movimento fluido e contínuo” (Pantónio, 2018).

Partilhar

Alunos da ESTC vão a Berlim participar em festival de teatro

A Escola Superior de Teatro e Cinema (ESTC) irá participar, de 6 a 16 de abril, no programa  F.I.N.D.+ (Festival for International New Drama, students section), integrado no conceituado Schaubühne Berlin. A ESTC será representada por 16 estudantes finalistas da Licenciatura em Teatro, acompanhados pelo Vice-Presidente, Professor Álvaro Correia, e irão participar em diversos workshops e grupos de discussão e performance, ministrados durante os 10 dias do programa.

A 18ª edição do F.I.N.D., cujo tema será “Art of Forgetting”, contará com a participação de escolas de teatro muito conceituadas a nível internacional, tais como: Conservatoire Paris, Universität der Künste Berlin (UdK) Berlin, Ernst-Busch School de Berlin e a NY/Manhattan University.

Esta participação será uma oportunidade de representar a ESTC e o Instituto Politécnico num dos mais importantes festivais de teatro da Europa.

Mais informação: https://www.schaubuehne.de/en/pages/find-2017.html

 

 

 

Partilhar

Faleceu Germana Tânger

A Direção da ESTC manifesta o seu pesar pelo falecimento de Germana Tânger, atriz, declamadora e pedagoga, que nasceu em Lisboa a 16 de janeiro de 1920, tendo falecido ontem, dia 22 de janeiro.

Germana Tânger estudou no Liceu Maria Amália Vaz de Carvalho e na Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, tendo feito parte do grupo de teatro da instituição, fundado por Manuel Tânger, investigador, professor universitário, com quem viria a casar-se.

A declamação da poesia portuguesa começou cedo, por sugestão de Almada Negreiros, que lhe pediu que dissesse “O Corvo”, de Edgar Alan Poe, traduzido por Fernando Pessoa, numa sessão pública. Posteriormente, a atriz ficou conhecida por declamar obras de Fernando Pessoa.

No final da década de 1940, Germana Tânger fixou-se, com o marido, em Paris. Firmou a carreira de declamadora no Brasil,tendo regressado a Portugal na década de 1950, altura em que começou a leccionar “Arte de Dicção” no Conservatório Nacional de Lisboa, onde terá permanecido por cerca de 25 anos.

 

Partilhar