33.º aniversário do IPL

Realizou-se, no passado dia 30 de maio, a cerimónia comemorativa do 33.º aniversário do IPL, na qual Francisco George, presidente da Cruz Vermelha Portuguesa, foi homenageado com a Medalha de Ouro do Politécnico de Lisboa (IPL), a mais importante condecoração da instituição.

Na cerimónia, que decorreu no auditório da Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa (ESTeSL), foram distinguidos dois alunos da ESTC com a Medalha de Prata de Valor e Distinção: Joana Niza Braga e Duarte Coimbra, diplomados em Cinema pela ESTC. Também foi distinguida com a Menção Honrosa Medalha de Prata de Valor e Distinção a ex-aluna Ana Cris, diplomada em Teatro pela ESTC.

Foram também distinguidos três professores aposentados da ESTC:

– João Maria Mendes, ex-presidente da ESTC – Medalha de Prata de Emérito e de Mérito por serviços prestados ao IPL – 1.ª Classe – medalha entregue a Marta Mendes em sua representação;
– José Pedro Caiado Medalha de Prata de Emérito e de Mérito por serviços prestados ao IPL – 2.ª Classe;
– Maria Eugénia VasquesMedalha de Prata de Emérito e de Mérito por serviços prestados ao IPL – 2.ª Classe.

A sessão foi também abrilhantada com a atuação de alunos do 1.º ano da Licenciatura em Teatro – Ramo Atores, que interpretaram alguns excertos de Anton Tcheckov, sob a orientação do professor Francisco Salgado.

Parabéns ao IPL e a todos os homenageados.

Partilhar

“Polifonia & Contraponto” apresentado na Culturgest

Foi apresentada, no passado dia 29 de maio, na sala 2 da Culturgest,  a publicação bilingue (português e inglês),  “Polifonia & Contraponto – Heiner Goebbels  – Conferências de Lisboa”.

Fruto de um projeto de investigação financiado no âmbito da 3.ª edição do Concurso de Projectos de Investigação, Desenvolvimento, Inovação e Criação Artística (IDI&CA) pelo Instituto Politécnico de Lisboa, os resultados foram apresentados em forma de livro. A ideia nasceu da vontade de aprofundar a relação entre a prática artística e a reflexão em torno das questões que a unem à pedagogia e à investigação, a partir de algumas premissas colocadas no trabalho do encenador e compositor Heiner Gobbels.

Foi então criada a possibilidade de regressar ao mês de dezembro de 2013, altura em que Goebbels esteve em Lisboa e apresentou o seu trabalho em duas conferências, uma no CCB e outra na ESTC, organizadas e apresentadas por António Lagarto, cenógrafo, figurinista, professor e, à data, Presidente da ESTC.

A apresentação do livro esteve a cargo do responsável pela investigação, João Calixto, e contou com a participação de António Lagarto e de João Pedro Vaz, ator que participou, no ano de 1997, em “A Libertação de Prometeu”, de Heiner Müller, um concerto cénico de Heiner Goebbels, no Teatro Rivoli, no Porto.

Na assistência estiveram presentes  o Pró-Presidente do IPL para as Artes, Paulo Morais, o Presidente da ESTC, David Antunes, o Diretor do Departamento de Teatro da ESTC, Luca Aprea, um dos administradores da Culturgest, Mark Deputter e diversos professores e colaboradores da ESTC, entre outros.

Partilhar

Professor da ESTC condecorado pelo Exército

Paulo Morais-Alexandre, Professor da ESTC e Pró-presidente do IPL para as Artes, foi agraciado com a medalha de Mérito Militar, D. Afonso Henriques, 1.ª classe, pelo General José Nunes da Fonseca, Chefe do Estado Maior do Exército, por proposta do Major-General Aníbal Flambó, diretor da Direção da História e Cultura Militar.O louvor teve por base o “relevante desempenho na preservação e divulgação da História e Cultura Militar, prestigiando o Exército Português e as Forças Armadas.louvor

O pró-presidente do Politécnico de Lisboa colabora desde há vários anos com a direção do Serviço Histórico-Militar, atual direção de História e Cultura Militar, na área da Heráldica Militar. Neste âmbito, o também docente da Escola Superior de Teatro e Cinema e da Escola Superior de Educação de Lisboa, desenvolveu pesquisas que culminaram na tese de Doutoramento sobre Heráldica do Exército XX, na Universidade de Coimbra.

A medalha D. Afonso Henriques é uma das medalhas privativas do Ministério da Defesa Nacional, do Estado-Maio- General e dos Ramos das Forças Armadas, destinadas a galardoar os militares e civis, nacionais ou estrangeiros, que, no âmbito técnico-profissional, revelem elevada competência, extraordinário desempenho e relevantes qualidades pessoais, contribuindo significativamente para a eficiência, prestígio e cumprimento da missão destas entidades. O Regulamento da Medalha Militar e das Medalhas Comemorativas das Forças Armadas define que a concessão da classe das medalhas privativas a civis é feita, tendo em conta a função exercida e o valor dos serviços prestados.

in www.ipl.pt

Partilhar

Cinema da ESTC à conquista dos Prémios Sophia

A cerimónia dos Prémios Sophia 2019, atribuídos pela Academia Portuguesa de Cinema, que decorreu a 24 de março, no Casino Estoril, distinguiu uma docente, quatro diplomados e uma pós-graduada da escola artística do Politécnico de Lisboa.

filme "Raiva"

“Raiva” de Sérgio Tréfaut, com co-argumento de Fátima Ribeiro docente da ESTC

“Raiva” foi grande vencedor da 7.ª edição dos Prémios Sophia, da Academia Portuguesa de Cinema. Com nove nomeações, o filme “Raiva”, de Sérgio Tréfaut, conquistou seis Prémios Sophia, um dos quais para Melhor Argumento Adaptado. Sérgio Tréfaut e Fátima Ribeiro, docente da Escola Superior de Teatro e Cinema, a quem foi atribuído, recentemente, o título de professora especialista, foram os responsáveis pela adaptação da obra Seara do Vento”, de Manuel da Fonseca.

Os Prémios Sophia 2019 distinguiram ainda os diplomados Miguel Gonçalves Mendes, com o Melhor Documentário “O Labirinto da Saudade”; João Braz, pela Montagem do filme “Soldado Milhões”; Marco Martins pela Melhor Série/Telefilme “Sara”; António Aleixo, pelo Melhor Documentário em Curta-Metragem “Kid Sapiens Sapiens”. Maria Gonzaga, pós-graduada em Design de Cena pela Escola Superior de Teatro e Cinema foi a vencedora do Melhor Guarda-Roupa, com o filme “Parque Mayer”, de António-Pedro Vasconcelos.

Sleepwalk

Os Prémios Sophia distinguiram também Filipe Melo, docente da Escola Superior de Música de Lisboa, pela Melhor Curta-Metragem de Ficção, “Sleepwalk”, que realizou.

Os Prémios Sophia são considerados os Óscares Portugueses, atribuídos pela Academia Portuguesa de Cinema, uma associação cultural, sem fins lucrativos que tem como objetivo promover nacional e internacionalmente o Cinema Português. Para incentivar a divulgação e promoção do Cinema Português em particular, e das Artes e Ciências Cinematográficas em geral, a Academia decidiu instituir e atribuir os Prémios da Academia, que visam distinguir as obras distribuídas comercialmente em Portugal, em cada ano nas áreas: Longa-Metragem de Ficção; Documentário em Longa-Metragem; Curta-Metragem (Ficção, Animação e Documentário) e Telefilme e Séries de Tv, a que correspondem 23 categorias.

in www.ipl.pt

Partilhar

Aluna da ESTC vence Óscar

Joana Niza Braga tem o curso de Cinema, vertente Som e fez parte da equipa técnica da reprodução de efeitos sonoros, de “Free Solo” do National Geographic, vencedor de um Óscar e um Bafta de Melhor Documentário de 2019. A portuguesa já antes foi distinguida pelo trabalho no documentário como ‘foley mixer’ pelos norte-americanos Cinema Audio Society (CAS) Awards, que premeiam filmes tendo em conta apenas o som.

Joana trabalhou remotamente, a partir de Lisboa, fazendo equipa com Nuno Bent, com quem já esteve em inúmeros projetos. A pós-produtora de cinema Loudness Films, foi onde os profissionais de som trabalharam, graças a “um estúdio de ‘foley’ bastante grande”, disse Joana, em declarações à Lusa.

A licenciada em Cinema foi a “foley mixer” do trabalho realizado por Jimmy Chin e Elizabeth Chai Vasarhelyi. O ‘foley’ permite criar sons que por vezes não são captados nas rodagens. Joana explicou à Lusa que os ‘foley artists’ são “quem está reproduzir o barulho”. “Os ‘foley mixers’ são os ouvidos, porque o som captado pelo microfone é diferente, um bocadito, da perceção auditiva normal”.

“Free Solo” acompanhou o alpinista, norte-americano, Alex Honnold, na escalada, sem cordas ou proteções, da parede de granito El Capitan, com 900 metros de altura, no Parque de Yosemite, Estados Unidos. O documentário também está nomeado para os prémios da Cinema Audio Society (CAS) e para os Golden Real, os prémios da Motion Picture Sound Editors (MPSE).

Joana Niza Braga, de 27 anos, já conta com um filme premiado no curriculum. A profissional foi responsável pela montagem de som do filme “Balada de um Batráquio“, da realizadora e colega de curso, Leonor Teles, trabalho vencedor do Urso de Ouro de Curta-Metragem no Festival de Cinema de Berlim, em 2016.
Foi este o filme que a levou à Loudness Films, onde estagiou e onde continua a trabalhar.

A cerimónia dos dos Óscares realizou-se na última madrugada 25 de fevereiro (hora de Lisboa), em Los Angeles. A estatueta dourada juntou-se ao Bafta, prémio atribuído pela Academia Britânica de Cinema, decorreu em Londres a10 de fevereiro.

O documentário “Free Solo” vai ser exibido no National Geographic às 22h30 de domingo, 17 de março.

Texto de CSS/GCI IPL
Fonte: Lusa

Partilhar

Já disponíveis na ESTC Edições

Sentidos figurados Cinema • Imagem • Simulacro • Narrativa, de João Maria Mendes, é uma obra em dois volumes agora publicada na Editora On Line de Acesso Aberto da Escola Superior de Teatro e Cinema, a ESTC Edições. Os dois livros resultam de investigação aplicada ao ensino e desenvolvida pelo autor entre 2010 e 2018. Destinatários: estudantes, professores, investigadores e autores de Cinema e de Teatro, e interessados no relacionamento das artes do espectáculo com a literatura e demais expressões artísticas. Boa leitura!

 

Sentidos figurados vol I
Sentidos figurados vol II

 

Partilhar

Arte pública na ESTC

Está concluída a intervenção artística de Pantónio (António Correia) na fachada principal da ESTC, face ao jardim José Afonso. O trabalho site specific agora concretizado resultou de uma parceria entre a Câmara Municipal da Amadora e as presidências da ESTC e do IPL e inscreve-se no âmbito da 4ª edição do “Conversas na Rua”, projecto de Arte pública/Arte efémera que a Câmara tem vindo a desenvolver.

O “Conversas na Rua” tem curadoria própria e concretizou, desde 2015, dezena e meia de intervenções artísticas em espaços com visibilidade pública na Amadora, ampliando o “Mapa da arte urbana” da cidade, que conta com mais de cem murais e a que a ESTC, cujo edifício foi desenhado pelo arquitecto Manuel Salgado, agora se associa.

O autor do mural da ESTC, cujo portefólio inclui intervenções em edifícios em Paris, Bruxelas e em cidades do Canadá, Tunísia, Marrocos, Ucrânia, é hoje um dos artistas portugueses com mais expressivo reconhecimento internacional nesta área. Da Amadora segue agora para a Tailândia e depois para os EUA.

Partilhar

Mais prémios para filmes produzidos na ESTC

No seguimento da sua estreia nacional no Curtas Vila do Conde – International Film Festival, ‘Onde o Verão Vai (episódios da juventude)’ de David Pinheiro Vicente (Escola Superior de Teatro e Cinema – IPL), foi premiado com o Prémio Pixel Bunker e Melhor Filme em Competição Nacional; ‘Amor, Avenidas Novas’ de Duarte Coimbra (Escola Superior de Teatro e Cinema – IPL) venceu o Prémio IPDJ, o Prémio Smiling, o Prémio Agência da Curta Metragem e o Prémio Restart na Competição Take One! para filmes de escola.
Parabéns às equipas!
Partilhar