Alunos da ESTC Premiados

“A Câmara Ama-te”, projecto final do primeiro ano do mestrado em Teatro – Artes Performativas, do ano lectivo 2015/2016, composto pelos alunos Carolina Puntel, Gonçalo Froes, Isabel Milhanas Machado, Joana Ricardo, Rodolfo Freitas e Rosária Rocha, venceu o prémio Novos Criadores da World Academy na categoria Artes Performativas. O espectáculo será apresentado até ao final do ano integrado na programação do Teatro Praga e em 2018 nos estúdios da World Academy com gravação multicam.
Partilhar

Estágios na Cinemateca

No decurso do segundo semestre de 2017, a Cinemateca Portuguesa / Museu do Cinema faculta estágios curriculares (categoria de estágios não remunerados com a duração de três meses) destinados a estudantes de cinema do nível de licenciatura ou de mestrado (1º ou 2º nível do sistema académico de Bolonha), num total de 5 vagas, com início a 18 de setembro. Data limite para entrega de candidaturas: 31 de agosto de 2017.

Visualize ou descarregue os seguintes documentos:
 
– Programa de Estágios 2017 <http://mkt.cinemateca.pt/go/279c81f5e94c0053a4a4749ff84d3d3-07016d2a1e-88af9928de1eOxReiA2yefIeg2zr>
– Regulamento Geral de Estágios 2017 <http://mkt.cinemateca.pt/go/279c81f5e94c0053a4a4749ff84d3d3-07016d2a1e-88af9928de1eOxReiA2yefIe5JZX>
– Formulário de Candidatura <http://mkt.cinemateca.pt/go/279c81f5e94c0053a4a4749ff84d3d3-07016d2a1e-88af9928de1eOxReiA2yefIeg2zs>

Partilhar

Academia Politécnico LX

Cinquenta estudantes do ensino secundário, vindos de norte a sul do País, vão passar pelas seis escolas e dois institutos superiores do Politécnico de Lisboa, onde durante 5 dias vão poder contactar de perto com diversas áreas de oferta forma formativa – artes, ciências empresarias, ciências da saúde, comunicação, educação e engenharia.

Esta é a primeira edição da iniciativa, organizada pelo Politécnico de Lisboa, em parceria com a Fórum Estudante, que tem como principal objetivo ajudar estes jovens a decidir ou confirmar o que querem seguir no futuro.

Ao longo da semana está previsto um programa diversificado que inclui atividades organizadas pelas escolas e institutos do IPL, mas também visitas culturais pela cidade de Lisboa e uma tarde dedicada ao bem-estar.

Para os 50 jovens vai ser uma semana plena de atividades com diversão à mistura!

PROGRAMA

Segunda-feira (10 de julho)

10:30 – Concentração em Lisboa

11:00 – Receção Instituto Superior de Engenharia de Lisboa (ISEL)

11:30 – Instalação na residência Maria Beatriz

12:00 – Atividade quebra-gelo – Passa a bola

13:00 – Almoço no ISEL

14:30 – Boas vindas da Presidência do Politécnico de Lisboa

Apresentação das equipas dos gabinetes de comunicação das escolas e institutos do IPL

15:00 – Boas vindas da direção do ISEL

À descoberta da engenharia:

Construção da ponte Leonardo da Vinci
CSI e a Química
O Coração da Máquina Enigma e Impressão 3D
Re-trai
Máquinas e Robots

18:00 – Drum Circle

19:00 – Tempo Livre

20:00 – Jantar no ISEL

21:30 – Hora da caminha…

 

Terça-feira (11 de julho)

10:00 – Boas vindas da direção da Escola Superior de Dança (ESD)

Visita às instalações da ESD

Masterclass

13:00 – Almoço na cozinha do Palácio do Marquês de Pombal (ESD)

15:00 – Vamos defender Lisboa!
Visita ao castelo de São Jorge

20:00 – Jantar no Instituto Superior de Contabilidade e Administração de Lisboa (ISCAL)

22:00 – Hora da caminha…

 

Quarta-feira (12 de julho)

10:00 – Boas vindas da direção da Escola Superior de Comunicação Social (ESCS)

Estamos no ar nos estúdios de Tv e Rádio

12:30 – Almoço na Escola Superior de Educação de Lisboa (ESELx)

15:00 – Boas vindas da direção da Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa (ESTeSL)

Nutrição do futuro… ano 2050
CSI – Investigação criminal
Ortoprotesia – O futuro hoje

19:30 – Vamos ao Teatro D. Maria II

Primeira Imagem – exercício final dos estudantes da Escola Superior de Teatro e Cinema (ESTC)
No backstage do D. Maria à conversa com os atores

22:30 – Hora da caminha…

 

Quinta-feira (13 de julho)

09:30 – Boas vindas da direção da Escola Superior de Educação de Lisboa (ESELx)

10:00 – Património e Mediação Cultural

ESELx no Museu Cosme Damião

13:30 – Almoço na ESTC

15:00 – Boas vindas da direção da Escola Superior de Teatro e Cinema (ESTC)

15:30 – Visita à ESTC

Mostra de cinema

20:00 – Vamos ao Teatro D. Maria II

Primeira Imagem – exercício final dos estudantes da Escola Superior de Teatro e Cinema (ESTC)
No backstage do D. Maria à conversa com os atores

23:00 – Hora da caminha…

 

Sexta-feira (14 de julho)

10:00 – Boas vindas da direção do Instituto Superior de Contabilidade e Administração de Lisboa (ISCAL)

Shark Tanque
Peddy Paper
Boot Camp

13:30 – Almoço no ISCAL

15:00 – Aula de yoga Samkhya – Montes Claros – Espaço Monsanto

20:00 – Jantar de despedida no Politécnico de Lisboa

23:30 – Hora da caminha…

 

Sábado (15 de julho)

Regresso a casa

Partilhar

34.º Festival de Almada

A 34.ª edição do Festival de Almada foi apresentada, no dia 23 de junho, na Casa da Cerca. A sua programação conta com a participação dos alunos finalistas da Escola Superior de Teatro e Cinema, que sobem ao palco da Sala Estúdio do Teatro D. Maria II, com a peça “Primeira Imagem”.

Ver programa

António Lagarto, antigo Professor e dirigente da ESTC, irá ser homenageado no decorrer do Festival, com uma Exposição de Homenagem, que irá estar patente de 4 a 18 de julho, na sala polivalente da Escola D. António da Costa.

Ver programa

Partilhar

Nova editora on line na ESTC

A Escola Superior de Teatro e Cinema passou a ter uma editora on line – ESTC Edições – que publicará textos de professores, alunos e  investigadores ligados à Escola e/ou seus próximos. Os livros, cujo download é livre, destinam-se em primeiro lugar a apoiar os ensinos ministrados na ESTC, mas os seus temas podem alargar-se a áreas mais vastas, respeitantes à diversidade dos estudos contemporâneos em Teatro e Cinema. A editora inaugura o seu trabalho com textos de antigos alunos da Escola:

L’incompossibilité au cinéma : rendre l’incompossible possible , de Bárbara Janicas

The end has no end: framing death and the phenomenology of dying in documentary cinema, de Carlos Pereira

Intermedialidade cénica: as margens da experiência estética do teatro, de Filipa Chambel

The One Who Knocks: The Hero as Villain in Contemporary Televised Narratives, de Maria João Brasão Marques

 

Para aceder clique aqui

Partilhar

Antigo Aluno da ESTC premiado em Cannes

A ESTC felicita o seu antigo aluno, Pedro Pinho, pela conquista, no Festival de Cannes 2017, do Prémio FIPRESCI, da Federação Internacional de Críticos de Cinema, com o filme “A fábrica de nada”.

Partilhar

Antigos alunos da ESTC premiados no Indie 2017

A ESTC felicita os seus antigos alunos Miguel Clara Vasconcelos, Diogo Baldaia, Jorge Jácome e André Gil Mata pelos prémios obtidos na competição nacional do festival IndieLisboa 2017. Miguel Clara Vasconcelos ganhou o prémio para a Melhor Longa Portuguesa com Encontro Silencioso (produzido pela C.R.I.M.). Diogo Baldaia ganhou o prémio para a Melhor Curta Portuguesa com Miragem Meus Putos (produzida pelo realizador, Maura Carneiro e Manuel Rocha da Silva). Jorge Jácome recebeu o prémio Novo Talento com a curta Flores (produzida pela Black Maria). André Gil Mata ganhou, ex-aequo, o prémio Árvore da Vida, paralelo ao festival e atribuído pela Igreja Católica, com a curta Num Globo de Neve (produzida pelo realizador). A ESTC felicita também o seu antigo aluno Jorge Cramez pela sua participação no festival com a nova longa-metragem Amor Amor (produzida pela C.R.I.M.), que, embora não premiada, teve ali uma forte presença.

Partilhar

Ex-aluno da ESTC distinguido

A obra dramática ELA NÃO GOSTAVA DE FLORES, da autoria de A. Branco, recente ex-aluno da ESTC, no mestrado em Teatro, especialização em Artes Performativas, foi distinguida com Menção Honrosa pelo júri da 20ª edição do Grande Prémio de Teatro Novos Textos 2016, da Fundação INATEL. O texto inédito agora distinguido integrou o relatório de projeto final, no domínio das Escritas de Cena, defendido por A. Branco para a obtenção do grau de mestre.
Partilhar

Mensagem do Dia Mundial do Teatro 2017

 


International Theatre Institute ITI

World Organization for the Performing Arts World
Theatre Day Message 2017

 

Isabelle Huppert, France (tradução a partir da versão original)

Já passaram 55 anos desde a primavera em que se celebrou pela primeira vez o Dia Mundial do Teatro.

Esse dia, ou seja, essas 24 horas começaram no Teatro Nô e Buranku, passaram pela Ópera de Pequim e pelo Kathakali, passaram entre a Grécia e a Escandinávia, foram de Ésquilo a Ibsen, de Sófocles a Stringberg, passaram entre a Inglaterra e a Itália, foram de Sarah Kane a Pirandello. Passaram, entre outros países, pela França, onde nos encontramos, e por Paris que continua a ser a cidade do mundo que recebe o maior número de companhias estrangeiras. Em seguida, as nossas 24 horas levaram-nos da França à Rússia, de Racine e Molière e a Tchékhov depois, atravessando o Atlântico, chegaram a um campus universitário californiano onde as pessoas podem, quem sabe, reinventar o Teatro. Porque o Teatro renasce sempre das cinzas. Ele não passa de uma convenção que temos de constantemente abolir. É por isso que continua vivo. O Teatro tem uma vida irradiante, que desafia o espaço e o tempo, as peças mais contemporâneas são alimentadas pelos séculos passados, os reportórios mais clássicos tornam-se modernos de cada vez que os encenamos.

Uma Jornada Mundial do Teatro não é, evidentemente, como um dia banal das nossas vidas quotidianas. Esta Jornada faz reviver um imenso espaço-tempo e para evocar esse espaço-tempo, vou socorrer-me de um dramaturgo francês, tão genial como discreto, Jean Tardieu. Cito-o: — ” Para o espaço ele pergunta qual é o caminho mais longo de um ponto para outro ….Para o tempo sugere medir em décimas de segundo o tempo que demora pronunciar a palavra «eternidade».

Para o espaço-tempo ele diz ainda: “Fixai no vosso espirito, antes de adormecer, dois pontos quaisquer no espaço e calculem o tempo que é preciso para, em sonho, ir de um ponto ao outro”. É a expressão “em sonho” que retenho. Poderíamos dizer que Jean Tardieu e Bob Wilson se encontraram. Podemos também resumir o nosso Dia Mundial do Teatro evocando Samuel Beckett que pôs a Winnie a dizer, no seu estilo expedito: “Oh que lindo dia que poderia ser.” Ao pensar nesta mensagem, que me fizeram a honra de me pedir, lembrei-me de todos esses sonhos de todas essas cenas.

Então, não chego sozinha a esta sala da UNESCO: todas as personagens que representei me acompanham, os papéis que pensamos que nos abandonaram quando acaba, mas que têm em nós uma vida subterrânea, prestes a ajudar ou a destruir os papéis que lhes sucedem: Fedra, Araminta, Orlando, Hedda Gabbler, Medeia, Merteuil, Blanche Dubois… Acompanham-me, também, todos os personagens que amei e aplaudi como espectadora. E nesse lugar, pertenço ao mundo inteiro. Sou grega, africana, síria, veneziana, russa, brasileira, persa, romena, japonesa, marselhesa, nova-iorquina, filipina, argentina, norueguesa, coreana, alemã, austríaca, inglesa, isto é, o mundo inteiro.

A verdadeira mundialização é esta.

Em 1964, por ocasião desta Jornada Mundial do Teatro, Laurence Olivier anunciou que, depois de mais de um século de combate, se conseguira, por fim, criar em Inglaterra um Teatro Nacional, que ele quis imediatamente que fosse um teatro internacional, pelo menos no seu repertório. Ele sabia bem que Shakespeare pertencia a todo o mundo no mundo.

Adorei saber que a primeira mensagem destas Jornadas Mundiais do Teatro, em 1962, fora confiada a Jean Cocteau, escolhido por ser, como se sabe, o autor de “uma volta ao mundo em 80 dias”. Eu fiz a volta ao mundo de uma outra maneira: fi-la em 80 espectáculos ou em 80 filmes. Digo filmes porque não faço nenhuma diferença entre representar no teatro e representar no cinema, o que surpreende sempre que o digo, mas é verdade, é assim. Nenhuma diferença.

Falando aqui, não sou eu própria, não sou uma actriz, sou apenas uma das numerosas pessoas graças às quais o Teatro continua a existir. É um pouco o nosso dever. E a nossa necessidade: Como dizer: Nós não fazemos existir o Teatro, é graças ao Teatro que nós existimos O Teatro é muito forte, resiste, sobrevive a tudo, às guerras, às censuras, à falta de dinheiro. Basta dizer: “O cenário é um palco nu de uma época indeterminada” e de chamar um actor. Ou uma actriz. Que vai ele fazer? Que vai ela dizer? Irão falar ? O público espera, vais já saber, o público sem o qual não há Teatro, não nos esqueçamos. Uma pessoa no público é um público. “Não muitas cadeiras vazias, esperemos! Salvo em Ionesco… No fim, a Velha diz: “Sim, sim morramos em plena glória…. Morramos para entrar na lenda… Ao menos teremos a nossa rua…”

A Jornada Mundial do Teatro existe há 55 anos. Em 55 anos serei a oitava mulher a quem é pedido para fazer uma mensagem, enfim, não sei se a palavra “mensagem” é apropriada. Os meus antecessores (o masculino impõe-se!) falaram sobre o Teatro da imaginação, da liberdade, da origem, evocaram o multicultural, a beleza, as questões sem respostas… Em 2013, há somente quatro anos, Dario Fo disse: “ A única solução para a crise reside na esperança de uma grande caça às bruxas contra nós, sobretudo contra os jovens que querem aprender a arte do teatro: nascera assim uma nova diáspora de actores, que irá sem dúvida retirar desta situação, benefícios inimagináveis para a criação de uma nova representação.” Benefícios inimagináveis é uma bela formula digna de figurara num programa politico, não? … Já que estou em Paris, pouco antes de uma eleição presidencial, sugiro aqueles que têm ar de quem nos quer governar que estejam atentos aos benefícios inimagináveis que traz o Teatro. Mas nada de caça às bruxas!

O Teatro, para mim, é o outro, é o diálogo, é a ausência de ódio. A amizade ente os povos, não tenho bem a certeza o que quer dizer, mas acredito na comunidade, na amizade dos espectadores e dos actores, na união de todos que o teatro une, nos que o escrevem, naqueles que o traduzem, nos que o iluminam, vestem, o cenografam, nos que o interpretam, nos que o fazem, naqueles que o vão ver. O teatro protege-nos, abriga-nos…. Acredito totalmente que ele nos ama … tanto quanto nós o amamos …. Lembro-me de um velho ensaiador à antiga que, antes do levantar da cortina, dizia, todas as noites nos bastidores, em voz firme: “Lugar ao Teatro!”. Esta será a palavra final. Obrigada.

Tradução: Margarida Saraiva
Revisão: Eugénia Vasques
Fotografia: “Five Years” – 3.º Ano da Licenciatura em Teatro | ramo Atores  © Pedro Azevedo

Escola Superior de Teatro e Cinema | Março 2017

Partilhar

TEATRO NA EDUCAÇÃO E COMUNIDADE | 2017

A 4ª edição do encontro-TE – Encontro de Teatro na Educação e Comunidade – uma iniciativa conjunta da Escola Superior de Educação (ESELx) e da Escola Superior de Teatro e Cinema (ESTC), duas unidades orgânicas do Instituto Politécnico de Lisboa – realiza-se nos dias 24  e 25 de março de 2017.

Este Encontro surgiu diretamente ligado aos segundos ciclos de estudos criados nestas áreas em ambas as Escolas: o Mestrado em Teatro – ramo de Teatro e Comunidade (ESTC, desde 2007) e o Mestrado em Educação Artística – especialização em Teatro na Educação (ESELx, desde 2010). Tem como objetivo central a promoção de oportunidades privilegiadas de apresentação e discussão de conceções e práticas em torno da tríade teatro/educação/comunidade.

O programa deste Encontro integra como habitualmente conferências, workshops, espetáculos e painéis temáticos, com a participação de estudantes e docentes, bem como de outros convidados e interessados nestas áreas.

Em cada edição, o encontro-TE tem dado destaque a uma personalidade, cuja obra se distingue no cruzamento dos três eixos que este evento privilegia. Foi assim com João Mota (1ª edição, maio de 2011), Isabel Alves Costa (2ª edição, novembro de 2012, postumamente) e João Brites (3ª edição, novembro de 2014). Nesta 4ª edição, o encontro-TE põe em foco o percurso e a obra de Madalena Victorino, colaboradora da ESELx e da ESTC, recentemente distinguida com o Prémio Universidade de Coimbra 2017.

A participação no encontro-TE é aberta a todos os interessados. 

Modalidades de inscrição:
Modalidade A – Público em geral: 20 euros
Modalidade B
– Estudantes, diplomados, pessoal docente e não docente da ESELx, da ESTC e do IE-UL(protocolo com ESELx): Inscrição gratuita.
Modalidade C – Estudantes, diplomados, pessoal docente e não docente de outras unidades orgânicas do IPL: 10 euros

Opções com refeição nos refeitórios (jantar/ESTC e almoço/ESELx)
– Inscrição + jantar (Modalidade de inscrição + 5€ )
– Inscrição + almoço (Modalidade de inscrição + 5€)
– Inscrição + jantar + almoço (Modalidade de inscrição + 10€)

Em todos os casos, a inscrição é obrigatória, devendo ser concretizada entre 17 de fevereiro e 22 de março.

 Programa | Inscrição

Partilhar