Passar para o conteúdo principal

"À Vossa Vontade" baseado na obra de William Shakespeare

Data do evento
28 de Junho de 2021 - 29 de Junho de 2021
Hora
11:00 - 15:00
Local
Grande Auditório ESTC
Organização
Departamento de Teatro ESTC
Por razões de segurança, as apresentações dos exercícios de 2º ano estão restritas à comunidade académica.

 

“À Vossa Vontade”

Orientação e Adaptação Álvaro Correia

Baseado na obra de William Shakespeare

Tradução Fernando Villas-Boas

 

Ramo de Atores André Lopes, Carolina Trindade, Gabriel Silva, Inês Silva, Margarida Lucas, Marta Serôdio, Rodrigo Esteves

 

Ramo de Design de Cena

Figurinos, Cenografia, Adereços Carlota González e Catarina Sousa

Maquinaria Catarina Sousa e Rafael dos Santos

Assistência de Guarda-roupa  Irina de Falco

Maquilhagem e Caracterização Carlota González, Catarina Sousa e Rafael dos Santos

 

Ramo de Produção

Desenho de Luz e Vídeo Marta Semião e Miguel Mendes

Assistência de Encenação Marta Semião

Operação de Luz Marta Semião

Operação de Som e de Vídeo Miguel Mendes

Operação de Followspot Sofia Ramos

Assistentes de Palco Ana Miffon e Sofia Ramos

Direção de Cena e Direção Técnica Miguel Mendes

Produção Marta Semião e Miguel Mendes

 

Sinopse

O processo do qual surge este “À Vossa Vontade” foi algo como um ensaio constante, uma experimentação constante, que se prolonga e continua no tempo, e será um ensaio sempre até ao fim. Uma medição do tempo. Quanto tempo para ser amor à primeira vista? Quanto tempo para o olhar se apaixonar? Quanto tempo até o género ter lugar na fluidez? Quanto tempo se aguenta um disfarce, o desejo? Quanto tempo? Mas não é uma corrida, não há pressa. São experiências, vivências, ensaios. sempre em cena, variações dentro de uma estrutura. De uma convenção. Teatral?! Será que o passo do tempo no teatro é o passo do tempo numa floresta? Nas Ardenas parece que o tempo se suspende. No teatro também. Pode ser que também o público se apaixone à primeira vista.

 

Distribuição de Personagens

André Lopes Olivério, Orlando (ato II), Duque Frederico, Amiens, Sílvio

Gabriel Silva Orlando (ato I), Carlos, Diamantino, Corino

Inês Silva Adão, Rosalinda, Velho Duque, Febe

Lua Célia, Rosalinda

Margarida Lucas Célia, Rosalinda

Marta Serôdio Rosalinda, Diamantino

Rodrigo P. Esteves Orlando, Jácome, Sílvio

 

Textos

As You Like It acabou por ser o meu primeiro contacto teatral como ator, com um texto de Shakespeare. O cuidado com a palavra, com as dinâmicas de ritmo impressas pelo próprio autor foram novos desafios enquanto intérprete. O facto de sermos colocados a fazer várias personagens dentro de um mesmo espetáculo, levou-nos a descobrir mais intensamente os diferentes universos existentes e a ter uma maior compreensão de toda a história; acredito que, enquanto atores, o estímulo para nos desdobrarmos em vários registos ajudou ao nosso crescimento tanto a nível individual como de grupo. Assim, deixo um obrigado(gigante) a todos os envolvidos neste processo que tenho a certeza, recordaremos.

André Lopes

 

O processo de interpretar 3 personagens completamente distintos (Orlando, terceiro filho de D. Rolando Brás, com a sua aura jovem, honrada e liricamente apaixonada; Sílvio, o pastor indefeso pelo amor, apaixonado cegamente por Febe, alguém que o manipula e não o ama; Jácome, viajante vivido, experiente e melancólico) e encontrar a distinção para estes três registos, navegando pela intricada poesia de Shakespeare, foi bastante desafiante do ponto de vista dramatúrgico, nesta floresta de amores e desamores em que todos se movem e apegam pelo amor a alguém ou a algo – seja a uma pessoa, seja à idealização de uma pessoa, ou de si mesmo e da ordem natural do mundo.

Rodrigo P. Esteves

 

Estou bastante feliz com o resultado final deste projeto que foi sendo feito um pouco à nossa vontade sempre com oportunidades de criação coletiva        .
Tinha alguns preconceitos com Shakespeare e neste momento gosto bastante e admiro bastante a capacidade de escrita e criação dele . Obrigado por terem vindo e agora assistam à vossa vontade !

Gabriel Silva

 

Shakespeare sempre pareceu um bicho de sete cabeças. Um texto em poesia e prosa, poesia intrincada, prosa cheia de jogos, também pareceu assustador ao início. mas a cada passo propuseram-nos que nos colocássemos no lugar do criador, curtamos texto, propusemos dramaturgias, fizemos leituras, parafraseamos poemas, criamos pequenos projetos para cada personagem, partilhando referências: o mundo interior de todos, alunos de teatro, produção, design de cena, professores foi colocado em cima da mesa para construirmos a nossa floresta das Ardenas. e embora sejam infinitas as possibilidades com que a imaginação pode construir um universo sem limites, embora isto seja um apenas um grande ensaio, este palco será sempre a nossa floresta idílica.

Marta Serôdio

 

Rosalinda - Célia:

1. Bater texto a lavar a loiça;

2. Não correr;

3. Ouvir;

4. Óculos?

5. Diverte-te!

Lua (apontamento sobre o processo de trabalho das personagens)

 

Para mim este espetáculo simboliza a sensação de liberdade ao seguir com o que nos faz feliz, e de amar sem medo ou hesitação. Trabalhar para um espetáculo em pandemia tem momentos difíceis, no entanto, conseguimos criar em grupo momentos muito especiais - desde a partilha de ideias e de exercícios em zoom, até podermos finalmente correr pelo bosque das Ardenas, ver ovelhinhas a mamar e cantarmos juntos ao piano.

Margarida Lucas

 

Mais do que palavras para descrever o processo, o melhor é verem (á vossa vontade) e depois tiram as conclusões

Inês Silva

 

Com a ideia de fragmentação e organicidade em mente, partimos para a construção do cenário e dos figurinos tendo em conta o texto, o espaço e as pessoas.      
A cenografia, composta por grandes estruturas de madeira, compõe o espaço cénico de forma a ser um portal pelo qual o público tem de passar para entrar nesta experiência teatral.
Perspectivas; jogos de luz e sombra; possibilidades de diferentes densidades; o invisível e o visível; as profundidades; a capacidade de movimento e transformação tornam esta cenografia vital e um objecto em mutação do início ao fim da peça; tal como xs atorxs, as luzes, a maquinaria e os dois textos, que se unem através destes objectos em madeira.
Como de uma passagem do dia para a noite se tratasse, este cenário procura a fluidez.
O contraste entre o preto e o branco, e o dia e a noite foram ideias que se perpetuaram ao longo do processo e que se prolongaram até aos figurinos; “À Vossa Vontade”, o dia, a claridade, a luz do branco; “Sonho de uma Noite de Verão”, a noite, o breu, a escuridão do preto.

Carlota González e Catarina Sousa

 

O objeto artístico que agora se apresenta teve um processo criativo desafiante (ainda mais desafiante por ser online), no qual cada um foi contribuindo para a criação do mesmo. Através da aplicação das várias técnicas e matérias aprendidas ao longo destes dois anos, bem como através da utilização de vários equipamentos recentemente adquiridos pela ESTC, pudemos dotar este projeto de várias valências, quer ao nível técnico, como ao nível estético.         
Consideramos importante a autonomia que nos foi dada para exploração, investigação e laboratório, bem como a oportunidade de trabalhar em conjunto com os restantes ramos da Licenciatura.        
Após três rápidos meses de trabalho, fruto de interajuda, respeito e aprendizagem, para vós, “À Vossa Vontade”.

Marta Semião e Miguel Mendes

 

Equipa Pedagógica ESTC

Ramo de Atores Álvaro Correia, João Henriques, Peter Michael Dietz

Ramo de Design de Cena João Calixto, Stéphane Alberto

Ramo de Produção Andreia Carneiro, Conceição Mendes, Miguel Cruz, Teresa Varela

Gabinete de Produção ESTC Conceição Costa, Rute Reis

Agradecimento Diogo Zózimo, Sofia Ramos, Ana Miffon, Irina de Falco, Rafael dos Santos, Sérgio Loureiro, Mariá Bombardelli, Júlia Junqueira

Ano letivo 2020/2021